O ARTISTA INCONFESSÁVEL

.
Fazer o que seja é inútil.
Não fazer nada é inútil.
Mas entre fazer e não fazer
mais vale o inútil do fazer.
Mas não fazer para esquecer
que é inútil: nunca o esquecer.
Mas fazer o inútil sabendo
que ele é inútil, e bem sabendo
que é inútil e que seu sentido
não será sequer pressentido,
fazer: porque ele é mais difícil
do que não fazer, e dificil-
mente se poderá dizer
com mais desdém, ou então dizer
mais direto ao leitor Ninguém
que o feito o foi para ninguém.

.

Anúncios
| Deixe um comentário

58 do Waly Marujeiro da Lua

mas é carnaval

“- o império é o absoluto e a queda. E agora vazio e saciado que vou fazer de tudo que não me tornei?”

Publicado em Poesia&Imagem | 1 Comentário

figurinhas do etc

.

germina – revista de literatura e arte [indicado pelo caioman]

.

Publicado em Poesia&Imagem | Deixe um comentário

last cazaques

.

“olhai bem a vossa mente, nela na certa
encontrareis mil regiões não descobertas.
Percorrei-as, que assim sereis um dia
conhecedor da própria cosmografia”
THOREAU
.
Publicado em Idéias&Ideais | Deixe um comentário

fractus2? e o Bem

[o BEM: em espírito e em verdade] [o bem não é para se contemplar, é para se fazer]

VALORES MORAIS – ATO [ÉTICA/ESTÉTICA] TORNAR-SE (KANT) [a polidez é a arte dos signos]

[polidez ~ autenticidade]

MONTAIGNE: “O FUNDAMENTO DE MEU SER E DE MINHA IDENTIDADE É PURAMENTE MORAL: ELE ESTÁ NA FIDELIDADE À FÉ QUE JUREI A MIM MESMO. NÃO SOU REALMENTE O MESMO DE ONTEM; SOU O MESMO UNICAMENTE PORQUE EU ME CONFESSO O MESMO, PORQUE ASSUMO UM CERTO PASSADO COMO SENDO MEU, E PORQUE PRETENDO, NO FUTURO, RECONHECER MEU COMPROMISSO PRESENTE COMO SEMPRE MEU.”

| Deixe um comentário

fractus1? e Toda Essa Água

EXCLAMA, CALADO, PARADO, SEM DOR
CONVIVE, RELUTA E MONTA O OLHAR DIAGONAL
ESTENDE, O ESCURO E HÚMIDO FINAL
ESCORA, ESQUIVO, FUGIDO, SEM COR
ENCLAUSURADO, CEGADO DE FORÇA
RESIGNADO, ARCABOUÇO DESIDRATADO
APÁTICO, FISGADO DE FOME
SISTEMA DE UM ESTADO ADJETIVADO.
Publicado em fractus | Com a tag | Deixe um comentário

Cabaret Mineiro

Por acaso descobri essa trilha sonora elaborada por Tavinho Moura e outros músicos.

.

Achei um link para baixar esse filme da trilha. Uma obra do cineasta mineiro Carlos Alberto Prates.

Década de 80: trens, piquís, paixões, charutos e cachaça rumo ao norte de Minas. Vale a pena conferir:

BAIXAR O FILME

Vale dizer que a atuação do Nelson Dantas, já falecido, é no mínimo intrigante!

confere o link da imagem

Já esse link aqui é pra baixar a trilha sonora.

Publicado em Poesia&Imagem | Deixe um comentário